quarta-feira, 17 de junho de 2015

'2012' NÃO ACABOU, NA VERDADE, NEM COMEÇOU...É O QUE DIZEM OS ESPECIALISTAS!



Bob Fletcher, (ver site) uma das maiores autoridades investigativas mundiais em assuntos que envolvem certos "segredos de Estado" e que vem pesquisando o Planeta X (Nibiru) por mais de 25 anos,  recentemente (ABR/2015) veio a público para mostrar sua mais novas descobertas ao mundo. 

"Se você está realmente preocupado com aqueles que você ama e o futuro do planeta, por favor, compartilhe esta informação. com todo mundo que você conhece. " Disse Fletcher.

Fletcher diz que os primeiros avistamentos provavelmente serão no mês de dezembro de 2015 e daí por diante (2016, 2017). A proximidade na elíptica de retorno trará efeitos graves que atingirão o planeta nos 5 meses seguintes. Esta estimativa foi feita por Fletcher a partir dos estudos de 2000 anos e mais de 2000 documentos.

"Em breve todos estarão assistindo no céu o espetáculo da nova estrela (mini sistema solar)  ficando cada vez maior e maior." 

Qualquer pessoa inteligente e que se preza deverá ficar atenta. Como vocês sabem astronomos amadores tinham localizado o planeta em 1982. Alguns anos mais tarde, o Observatório Naval concordou e o Dr Harrington (NASA) divulgou um comunicado em 1992 dizendo que um corpo desconhecido tinha invadido nosso sistema solar. Logo em seguida,  o Dr. Harrington faceleu misteriosamente antes de terminar seu relatório formal sobre NIBIRU. Na época, o presidente Reagan fez o famoso discurso que invocava  uma NOVA ORDEM MUNDIAL...
 
 

O VÍDEO É RECENTE (MAI/2015), ESTÁ EM INGLÊS E A INCORPORAÇÃO FOI DESATIVADA


VEJA UM VÍDEO DE NIBIRU SENDO AVISTADO NA NORUEGA  NO DIA 10/06/2015

Via http://www.verdade.in/

O Ponto de Mutação



Um filme interessante de quase duas horas sobre os novos paradigmas da ciência, usando poucos efeitos especiais, baseado no diálogo entre três personagens, tendo como fonte de inspiração um livro escrito por um físico chamado Frijot Capra e tendo como pano de fundo a crise de nossa civilização que alcançou um Ponto de Mutação.

Ponto de Mutação ou Mindwalk, baseado na obra do físico Frijot Capra, apresenta a física quântica e uma nova visão de mundo baseada na junção da ciência e de uma compreensão orgânica do universo. O filme acontece através de um diálogo maravilhoso entre uma cientista, um poeta e um político. 

terça-feira, 16 de junho de 2015

Explorador descobre os restos tristes do programa espacial soviético

Ralph Mirebs, um explorador urbano e fotógrafo na Rússia, revelou fotos extraordinárias de protótipos de ônibus espaciais soviéticos juntando poeira em um hangar abandonado no Cazaquistão.
O hangar abandonado fica no Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, que ainda está em operação hoje (com o fim do programa de ônibus espaciais da NASA, ônibus espaciais russos Soyuz são o único caminho para os astronautas chegarem à Estação Espacial Internacional). Os protótipo de ônibus que Buran encontrou, no entanto, são de uma época anterior – eles são os últimos remanescentes de um programa espacial que começou em 1974 e foi finalmente encerrado em 1993.
As fotos de Mirebs mostram este programa espacial esquecido e congelado no tempo.
Este hangar abandonado no Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, guarda um tesouro histórico…
…Dois ônibus espaciais abandonados do programa espacial soviético “Buran”
O programa foi cancelado em 1993, após o colapso da União Soviética, e apenas um vôo orbital não tripulado foi concluído.
O hangar mantinha uma pressão atmosférica artificialmente elevada para manter a poeira fora, mas esses sistemas não funcionam há muito tempo.
Agora, os ônibus espaciais estão cobertos de poeira e excrementos de pássaros, e estão em ruínas.
Alguns dos equipamentos foram arrancados.
Os ônibus espaciais ainda estão rodeados por plataformas que permitiram que os trabalhadores fizessem seus serviços sem danificar a estrutura das aeronaves.
“O romance da exploração espacial se foi, deixando apenas números secos e estatísticas financeiras negativas.”, Mirebs escreve em seu blog.
“A corrida entre as duas superpotências teve um efeito benéfico sobre o progresso científico e técnico”
“Você pode lamentar o tempo perdido e lamentar a grandeza do passado, mas os fatos permanecem – a Rússia está rapidamente perdendo seu status como uma potência espacial”

Via http://hypecurioso.com/

Anel de Gyges – O anel que inspirou “O senhor dos Anéis”

 
O anel de Gyges é uma lenda que integra A República de Platão. Quando John Ronald Reuel Tolkien criou o  “Um Anel” em seu livro “O senhor dos Anéis” a idéia foi tirada de platão. Vamos saber mais a respeito:

O Mito

Giges era um pastor que servia em casa do que era então soberano da Lídia. Devido a uma grande tempestade e tremor de terra, rasgou-se o solo e abriu-se uma fenda no local onde ele apascentava o rebanho. Admirado ao ver tal coisa, desceu por lá e contemplou, entre outras maravilhas que para aí fantasiam, um cavalo de bronze, oco, com umas aberturas, espreitando através das quais viu lá dentro um cadáver, aparentemente maior do que um homem, e que não tinha mais nada senão um anel de ouro na mão. Arrancou-lho e saiu. Ora, como os pastores se tivessem reunido, da maneira habitual, a fim de comunicarem ao rei, todos os meses, o que dizia respeito aos rebanhos, Giges foi lá também, com o seu anel. Estando ele, pois, sentado no meio dos outros, deu por acaso uma volta ao engaste do anel para dentro, em direção à parte interna da mão, e, ao fazer isso, tornou-se invisível para os que estavam ao lado, os quais falavam dele como se tivesse ido embora. Admirado, passou de novo a mão pelo anel e virou para fora o engaste. Assim que o fez, tornou-se visível. Tendo observado estes fatos, experimentou, a ver se o anel tinha aquele poder, e verificou que, se voltasse o engaste para dentro, se tornava invisível; se o voltasse para fora, ficava visível. Assim senhor de si, logo fez com que fosse um dos delegados que iam junto do rei. Uma vez lá chegando, seduziu a mulher do soberano, e com o auxílio dela, atacou-o, e assim se tomou o poder.

Reflexões

Essa história levanta uma indagação moral:algum homem seria capaz de resistir à tentação do mal se soubesse que seus atos não seriam testemunhados? A justiça é uma convenção a que  não nos interessa obedecer; a justiça nunca traz vantagens. Assim, os que praticam a justiça o fariam “contra a vontade”, por “incapacidade” de agir de outra maneira. Suponhamos, por hipótese, que déssemos tanto ao justo quanto ao injusto a licença para agir como desejassem, e nos entretivéssemos a observá-los: eles agirão do mesmo modo. É o que nos mostra a história de Gyges.
Quem resistiria, sem o medo de ser visto e punido, à tentação de “matar, copular com quem desejasse, tornar-se um rei entre os homens”? Quem seria suficientemente insensato para permanecer fiel a justiça, quando tivesse em suas mãos todos os poderes? Portanto, ninguém é justo e íntegro voluntariamente, mas unicamente por imposição, “medo da polícia”, timidez ou incapacidade. Ninguém escolhe a justiça; se nos abstemos da injustiça, é porque não podemos agir de outro modo. Só praticamos o bem por não podermos praticar impunemente o mal.
A moral é transparente: asseguremos ao homem a certeza da impunidade e, imediatamente, rompe-se o verniz da educação moral e da “civilização”. O homem volta à sua “verdadeira natureza”; a besta imunda está lá, pronta para ressurgir. O direito cede o lugar à força, o reinado da selva está próximo.
Você bem que gostaria de roubar aquele disco ou aquela roupa na loja… Mas um segurança está observando, ou então há um sistema de vigilância eletrônica, ou simplesmente você tem medo de ser pego, punido, condenado… Não se trata de honestidade; trata-se de cálculo. Não é moral; é precaução. O medo do policial é o contrário da virtude, ou só tem a virtude da prudência.
Imagine, ao contrário, que você tenha aquele anel que Platão evoca, o célebre anel de Gyges, que tornaria você invisível sempre que você desejasse… É um anel mágico, que um pastor encontra por acaso. Basta virar a pedra do anel para dentro da palma para se tornar totalmente invisível, e virá-la para fora para ficar novamente visível… Gyges, que antes era tido como um homem honesto, não foi capaz de resistir às tentações a que esse anel o submetia. O mito conclui que o bom e o mau, ou os assim considerados, só se distinguem pela prudência ou pela hipocrisia, em outras palavras, pela importância desigual que dão ao olhar alheio ou por sua habilidade maior ou menor para se esconder…Se ambos possuíssem o anel de Gyges, nada mais os distinguiria: “ambos tenderiam para o mesmo fim”. Isso equivale a sugerir que a moral não passa de uma ilusão, de uma mentira, de um medo maquiado de virtude. Bastaria poder ficar invisível para que toda proibição sumisse e que, para cada um, não houvesse mais que a busca do seu prazer ou do seu interesse egoístas.
Tolkien citou a criação de vários anéis por Sauron para serem dados de “presente” para as diversas raças da terra média com o único intuito de corrompê-las com o poder e ganância. Pensem também na obra “O Homem Invisível”. No livro de HG Wells o cientista acaba enloquecido por sua fórmula iniciando um verdadeiro reinado de horror.
E não será este o maior problema enfrentado por este país: a certeza de impunidade? Será que mesmo os “bons” que são eleitos não acabam se corrompendo fascinados pelo poder de fazerem o que bem entendem sem que seja punidos?
Em resumo acho que este é o maior problema: criticamos outras pessoas por atitudes que nós mesmo teríamos. Não acho que devemos criticar os corruptos e sim criticarmos o sistema de privilégios e de imunidades que eles possuem. Vamos acabar com os anéis de Gyges antes que eles nos dominem e nos controlem.

Via https://reitigre.wordpress.com/2013/01/13/anel-de-gyges-o-anel-que-inspirou-o-senhor-dos-anis/

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Por que os símbolos são necessários e como surgem?


O jardim de Alice: a união dos pais separados simbolizada nas floresO jardim de Alice: a união dos pais separados simbolizada nas flores
Quais são os símbolos que melhor representam algumas das religiões no Brasil, porque eles são necessários e como surgem? No Entre o Céu e a Terra desta semana serão conhecidos e investigados a origem e significados de símbolos como a Cruz cristã, a Estrela de Davi judaica, o Om hinduísta, o Dharmacakra budista, a Pomba de Oxalá da umbanda, os planetas e signos para os astrólogos, as cartas do Tarot, entre outros. Por outro lado, o espiritismo não possui símbolos, as Igrejas Prostestantes divergem da Igreja Católica, entre outras coisas, por causa do culto de imagens e os Judeus não podem nem mesmo escrever a
palavra D’us por ela ser tão sagrada.

Muitas vezes um símbolo religioso se torna tão marcante que aquele que crê é imediatamente identificado por ele. É identificado e se identifica com os símbolos de sua religião.
O Brasil é um país internacionalmente reconhecido por sua tolerância religiosa. No entanto, infelizmente, não é bem assim. Há alguns anos, um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus chutou, em rede nacional de televisão, uma imagem de Nossa Senhora de Aparecida – considerada pelos católicos a padroeira do Brasil. Os evangélicos não cultuam nenhuma imagem, então o pastor tentava ilustrar em sua pregação que a Santa Católica era somente uma estátua. A comunidade católica do país se ofendeu profundamente. Ou seja, os evangélicos viam a estátua como pedra e os católicos como um símbolo da mãe de Deus.
Na ficção, Alberto tem encontro marcado com Fátima, diretora da escola onde sua filha, Alice, estuda. A menina se envolveu numa briga física com amigas. Enquanto espera pela diretora e pela chegada de Lígia, ele observa objetos e itens de decoração da sala e tenta antecipar a personalidade de Fátima por meio desses signos. Do lado de fora, Lígia encontra com a filha e entende o porquê da briga: Alice cuidava de uma floreira no jardim da escola cujas flores representavam seu pai e sua mãe. As amigas, numa brincadeira, pisotearam sem ver as plantas, o que enfureceu a menina. Aquele jardim representava a união de seus pais, já que os dois não vivem mais juntos.
 

Link do video : http://videos.ebc.com.br/vod/c4/c4727f7c059d884fe8188e68665204b6.webm
Ficha Técnica
Produção: Realejo Filmes
Direção Geral: Marcelo Machado
Direção e Produção Executiva: Thomas Miguez
Roteiro: Daniele Ricieri, Marcos Lazarini e Thiago Dottori
Elenco: Clayton Mariano, Renata Bruel, Annalara Prates e Neusa Velasco
Entrevistados
Dom José Belisário | Igreja Católica | MA
Makota Valdina |Candomblé | BA
Rabino Adrián Gottfried | Judaísmo | SP
Sacerdotisa Denise de Santi | Wicca | SP
Xamã Cyro Leão | Xamanismo Urbano | SP
Oscar Quiroga | Astrologia | SP
Marcelo Del Debbio | Kabbalah Esotérica | SP
Jorge Claudio Ribeiro | Cientista da Religião | SP
Oneide Bobsin | Cientista da Religião | SP
Bernardo Lynch de Gregorio | Especialista em Mitologias | SP
Via  http://tvbrasil.ebc.com.br/entreoceueaterra/episodio/simbolos-e-representacoes

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Crônicas do Futuro: A True Story mantido escondido pelos maçons agora revelado



  • 12.4K
     



Ilustração para as Crônicas do Futuro - Paul Deinach

Crônicas do Futuro conta uma história notável sobre um evento bizarro e incrível vivida por Paul Amadeus Dienach, o autor, que viveu durante o início do século passado na Europa central.Dienach afirma que durante o seu estado de coma de um ano, provocada por uma doença grave, sua consciência viajou para o futuro em um corpo diferente e ficou lá por toda a duração de seu coma. Embora isso pareça impossível e, na verdade fantasiosa, conta por escrito da Dienach foi levado muito a sério pelos maçons, que mantiveram seu livro como um segredo bem guardado.
Há muitos livros contendo profecias e visões de futuras ocorrências, no entanto, nenhum chegou perto de circunstâncias estranhas que aconteceram com Dienach quase um século atrás. Apenas um grupo seleto já tive o privilégio de ler crônica detalhada de Dienach de eventos como apenas um pequeno número de cópias foram impressas e publicadas na Grécia.
Mas agora, pela primeira vez, as pessoas têm a oportunidade de ler a incrível história de Dienach e ouvir suas revelações sobre o futuro e o próximo passo evolutivo para a humanidade.  
Exclusivamente em origens antigas, em cooperação com o editor da primeira versão em Inglês doCrônicas do Futuro , Achilleas Syrigos apresentará páginas do Diário de Paul Dienach em sequência, em origens antigas, portanto, fique atento! O livro será publicado em poucos meses.

Quem é o escritor do livro?

 

Paul Amadeus Dienach ilustração escrever
Paul Amadeus Dienach, era um professor de estudos do idioma alemão. Ele não era um escritor nem ele pensa em escrever um livro. Em vez disso, Crônicas do futuro é seu diário publicado contendo uma descrição detalhada de suas experiências.
Dienach sofria de um tipo raro de encefalite letárgica («doença do sono»), e em 1921, ele entrou em coma e permaneceu assim durante um ano inteiro em um hospital de Genebra.

Qual foi sua experiência?

 

Quando Dienach acordou de seu coma, ele registrou em seu diário que ele tinha sido acordado e consciente o tempo todo, mas não no ano nem o local em que seu corpo jazia. Dienach informou que sua consciência viajou para o corpo de outro homem, Andrew Northam, no ano 3906 AD.  
De acordo com Dienach, indivíduos no ano 3906 AD percebeu que uma consciência diferente tinha entrado no corpo de Andrew Northam, e assim eles lhe mostrou e explicou-lhe tudo sobre sua época, assim como exatamente o que tinha ocorrido a partir do 21 st século up até o seu presente ano, mostrando o caminho que a humanidade tinha seguido.
Dienach informou que uma nova espécie de ser humano, chamado Homo Occidantalis Novus, seguirá o Homo sapiens de hoje, e em suas memórias ele traça os passos, boas e ruins, que terão lugar ao longo dos milênios.
Dienach nunca mencionou sua conta para ninguém no momento por medo de ser pensado louco e expor-se ao ridículo, tanto em sua carreira e vida pessoal. 

Como seu diário pessoal vir a ser publicado?

 

Paul Dienach no hospital - Ilustração
Na idade de 36 anos, com saúde frágil e depois de se recuperar do coma, Dienach decidiu ir para a Grécia no Outono de 1922, com o objetivo de melhorar sua saúde, por causa do clima ameno, e também para ensinar alemão para estudantes universitários. Um de seus alunos foi George Papahatzis, que mais tarde tornou-se o vice-presidente do Conselho Nacional da Grécia, membro fundador da Sociedade Filosófica grega e um dos reformadores de Direito Administrativo na Grécia, bem como um membro do alto escalão de uma série de sociedades secretas, incluindo os maçons.
Dois anos mais tarde, vendo sua saúde piorar e sabendo que sua morte era iminente, Dienach decidiu ir para a Itália. Mas antes de sair, ele confiou seu aluno Fiel, Papahatzis, com uma maleta cheia de notas, dizendo-lhe que, se quisesse lê-los no futuro, ele iria ajudá-lo com sua alemão.Ele disse adeus a seu jovem amigo e esquerda. Ele morreu de tuberculose no primeiro semestre de 1924.
George Papahatzis traduziu as notas de Dienach gradualmente durante um período de 14 anos - de 1926 a 1940. Ele ficou surpreso com as notas que Dienach lhe deixara. Inicialmente, ele acreditava que seu professor tinha escrito um romance de uma maneira muito peculiar. Mas, como ele continuou a ler, ele percebeu que o que ele estava traduzindo eram memórias de Dienach.
A Segunda Guerra Mundial ea guerra civil que se seguiu na Grécia fez cessar Papahatzis traduções dos títulos da Dienach. Mas mais tarde, 1952-1966, Papahatzis tentou rastrear parentes Dienach ou Dienach das por viajar para Zurique, em doze ocasiões separadas. Ele não conseguia encontrar nenhum parente ou qualquer traço de Dienach. Assim, sua conclusão foi que Dienach (que lutou durante a Primeira Guerra Mundial ao lado dos alemães) tinha mudado seu nome em sua chegada à Grécia, um país que tinha lutado contra os alemães na guerra.
Depois de traduzido, Papahatzis compartilhado as notas somente dentro de um círculo muito fechado Masonic envolvendo membros do mais alto grau. As notas foram divulgadas como informações de maior importância para o futuro da humanidade, e entre os maçons, Dienach foi considerado um profeta dos tempos modernos.

Os esforços de publicação eo ataque da Igreja

 

Até 1972, as notas traduzidas do Dienach estavam disponíveis dentro dos próximos círculos filosóficos e maçónicos. Eles acreditavam que as informações não devem ser disponibilizados para as massas, desde que foi controverso e muitos não iria lidar com as informações bem. Mas George Papahatzis não concordou.
Em 1972, durante a ditadura na Grécia, Papahatzis publicado as páginas de um diário de Dienach e ele veio imediatamente sob ataque. Ele perdeu o emprego, foi acusado como herege pela Igreja, e cópias do livro desapareceu rapidamente. Apenas alguns permaneceram.
Segunda edição do Diário de Paul Dienach
Segunda edição do diário de Paul Dienach
Outra tentativa de publicação foi feita em 1979, um período em que a Grécia tinha a transição para a democracia após o derrube da ditadura. No entanto, mais uma vez os livros desapareceram e ele quase não foi mencionado novamente, para além de os poucos que sabia de sua existência.
Trinta anos mais tarde eo livro nunca foi fora da Grécia, e quase todos ignoravam a sua existência para além de Radamanthys Anastasakis, altos ex-membro de muitas sociedades secretas (e hoje professor, autor e editor), que decidiu publicar o livro em pequena escala, exatamente como foi escrito anteriormente. A enorme extensão do livro, em combinação com o facto de ter sido publicado por uma companhia pequena publicação que não têm os meios para anunciá-lo, fez com que ele se perdeu entre os milhares de outros livros.

Devidamente apresentado pela primeira vez

 

Quando memoires de Dienach foram publicadas primeiramente, eram de difícil leitura, que contém mais de 800 páginas de notas ásperas. Dienach nunca pretendeu seu diário a ser publicado como um livro, e simplesmente registrou o que ele podia se lembrar de sua experiência um ano, quando ele estava em coma, junto com outras lembranças de seu passado, fazendo a essência da história difícil de extrair.  
Agora, pela primeira vez , o diário de Dienach foi devidamente preparado e editado, apresentando os elementos-chave da sua história em um formato fácil de ler, juntamente com ilustrações impressionantes que trazem à vida a verdadeira essência da sua experiência.
Este livro poderia ser de mudança de vida, porque se o que diz é verdade, Dienach vai mostrar o que o futuro reserva para a humanidade ...