quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Fim da era judaica




Recebi muuuuitos emails de gente revoltada com o que escrevo sobre os deuses. Eles acreditam que me atacando vão salvar sua consciência das mudanças que estão por vir... tadinhos.

Conhecimento é um vírus. Não tem mais volta.


Ateus e gnósticos sabem mais sobre todas as religiões, do que os próprios fiéis a um deus. Isso prova que conhecer a história da humanidade a fundo mais as escrituras sagradas, rituais de todos os tipos e seus objetivos, nos levam a consciência inequívoca de que os deuses conduzem um gado a seu bel prazer. Mas... isso só acontece se esse “rebanho” não se informar.

O fim do mundo que narra os textos em que “Jesus” se referia, não é o fim do mundofísico, pois a palavra "mundo" usada na passagem vem da palavra grega "aion", significando "idade" – “era”. A palavra grega para "mundo" é "cosmos", que se refere ao mundo físico, mas essa não é a palavra grega que é usada nas Escrituras em referência a retorno de “Jesus”, portanto os Mayas estavam certos, o “mundo antigo acabou” e o novo mundo já começou com sérias mudanças e temos que nos preparar para elas.

A história tradicional conta que, entre 1200 a.C. e 700 a.C., a Grécia passou por uma Idade das Trevas. O povo deixou as cidades e partiu para o campo. Não é sabido por nós (ainda) porque nenhum registro foi preservado dessa era. Livros, documentos sobre a história da civilização desse período - foi tudo perdido.

Nas últimas décadas, alguns arqueólogos tentam provar que tal época teria durado bem menos que 500 anos – ou talvez nem tenha existido.

Graças a um grupo de cientistas chamados revisionistas, que defendem a tese de que tudo foi causado por uma “confusão” (maneira nobre de chamar a toda essa ação de “sacanagem”) feita no século 19 por um grupo que deseja nos ocultar algo.

Dinossauros e humanos juntos???
Afinal, até aquela época, ninguém tinha falado em uma Idade das Trevas. O termo foi adicionado à história grega somente no fim daquele período por egiptólogos ingleses.

Traduções podem ter tornado o documento ainda mais impreciso. Por volta de 1700, o já célebreIsaac Newton, maçon e físico inglês, passou a contestar a lista de Manetho. Concluiu que os faraós Sesostris e Tutmés III eram a mesma pessoa – as conquistas militares dos dois soberanos eram exatamente iguais. A pesquisa dele serviu a alguns estudiosos do século 20, que iniciaram a revisão cronológica.

Alguns iluminados como o psicanalista russo Immanuel Velikovsky destacou e simplificou muita coisa para nós, pobres mortais, através dos seus livros de cunho metafísico. Eles nos mostram links que precisamos ter sobre astronomia, religião, mitologia, física, química e outros.

Seus livros, como Worldsin Collision e Ages in Chaos (Mundos em colisão e Eras em caos) foram divinos na maneira como abordaram o assunto: conclusão? A cronologia egípcia está inteiramente errada. Devido a ideias como essas, ele foi banido da comunidade científica e perseguido intelectualmente. Novidade...

Em 1974 um grupo de 80 pesquisadores britânicos fundou a SIS - Sociedade de Estudos Interdisciplinares - para investigar as teorias de Velikovsky. Entre eles estavam os historiadores Peter James e David Rohl. Ambos se afastaram da SIS em 1985, mas continuam fazendo pesquisas que contestam as datas da Idade das Trevas e do Egito antigo.

David Rohl é autor de A Test of Time (Um teste de tempo). A obra tenta ajustar as datas do Egito às de acontecimentos da Bíblia. Entre as conclusões está a identificação de Ramsés II como o faraó citado no Livro do Êxodo. Já no livro Centuries of Darkness (“Séculos de escuridão”) de 1991 de Peter, conclui que a Idade das Trevas teria que diminuir 250 anos.

Segundo os revisionistas, essa transição ocorreu mais recentemente do que se acredita. Portanto, estamos atrasados para algum evento futuro que se repete a cada 250 anos...

Texto bíblico se refere também ao fim da Era judaica. 
Noé teve três filhos, Sem, Cam e Jafé, que nasceram e se multiplicaram antes do Dilúvio. Narra a lenda que cada filho organizou em tribos os grupos desobreviventes do planeta, desorientados após a catástrofe diluviana, dando continuidade a uma nova ERA (AION) de informaçãoUm novo rebanho se agrupava.

Tribos de Jafé
Gômer, Magogue, Madai, Javã, Tubal, Meseque e Tiras

Gômer, segundo os linguistas, vem do acadiano GIM-IR-[RA-A] - ou Cimir, Cimira. Os descendentes de Gômer são conhecidos como "Gomarians" ou "Comarians" e, finalmente, "Cimerians" hoje Crimeia. Associa-se Gômer, então, aos Cimerianos: habitantes do norte do mar negro, atuais Ucrânia e RússiaGômer, portanto, é o ancestral de todas as nações de origem Germânica.

O que você não sabe sobre os egípcios e judeus 
A Pesquisa foi feita a partir dos textos de Babu G. Ranganathan - bacharel em teologia reconhecido na 24 ª edição do Marquês "Quem é quem no Oriente" por seus escritos sobre a religião e a ciência.

Primeiramente entender que "judeu" não é uma raça, mas uma religião, um dogma, um scrip, uma agendaQualquer pessoa de qualquer raça pode ser um judeu. Os deuses começaram a religião judaica com uma família específica, Abraão, Isaac e Jacó

Durante o cativeiro da Babilônia, os judeus foram espalhados por todas as nações do império babilônico. Além disso, quase nenhum judeu na Israel moderna descende dos judeus da Palestina original de milhares de anos atrás

Durante os tempos antigos, um historiador romano, Tactitus, registrou que os judeus eram negros e etíopes (africanos). Ao contrário da crença popular, os judeus europeus não são descendentes dos judeus originais da época de Jesus e textos postulam que Jesus era judeu!

Os judeus europeus descendem de gentios da Europa, que se converteram ao judaísmo durante a Idade Média. Consulte um rabino judeu, por favor.

No Novo Testamento, os cristãos, judeus e gentios crentes em Cristo, são chamados espiritualmente como judeus. Os judeus europeus são descendentes de Ashkenazi e são conhecidos como os judeus Asquenazes. O apóstolo Paulo, no Novo Testamento, refere-se à igreja cristã como a "Israel de Deus"

Segundo a Bíblia os antigos egípcios eram descendentes de Ham através da linha deMizraim. “Ham teve quatro filhos: Cuche, Mizraim, Pute e Canaã” (Gênesis 10:6). 

O nome "Mizraim" é o nome original em hebraico para a atual palavra Egito que vem do grego "Aegyptos”. Muitas Bíblias terão uma nota de rodapé ao lado do nome "Mizraim", explicando que isso significa "Egito". 

O nome "Ham" significa"preto", ou"queimado". Assim, Ham, que foi um dos três filhos de Noé,era negro. Ham foi batizado de "um negro" por seu pai Noédesde o nascimento. 

Em outras palavras, a pele negranão foi uma maldição, porque Ham nasceu preto, muito antes de Noé ter colocado qualquer maldição. Os antigos egípcios em seus escritos usavam a palavra "negro" para descrever a si mesmo.

Hoje o Egito é referido como uma nação árabe, mas hoje isso só faz sentido porque osárabes conquistaram o Egito há séculos e impuseram ao povo judeu negro a sualíngua, cultura e religião muçulmana e logo após vieram os persas e gregos ao longo dos séculos. Cleópatra, que governou o Egito, por exemplo, era de ascendênciagrega.

Mas os egípcios originais eram de origem negra, e ainda o são na maior parte da população rural do Egito, especialmente no sul onde a civilização egípcia historicamente originou. 

Assim como haviam primitivas e avançadas sociedades brancas na Europa, havia também primitivas e avançadas sociedades negras da África. 

A Bíblia ensina que toda a humanidade descende de Noé e sua família... Todos negros tiveram sua raça modificada com a invasão e controle dos deuses arianos.

maioria dos judeus em Israel hoje é descendente de europeus que haviam se convertido ao judaísmo na Idade Média - conhecidos como Khazar ou judeus Ashkenazi.

Asquenazes ou asquenazi (NAZI ?)
Nome dado aos judeus provenientes da Europa Central e Europa Oriental. O termo provém do hebraico medieval para a palavra Alemanha chamada Ashkenazi

A teoria de que todos ou a maioria dos Judeus Ashkenazi poderiam ser descendentes de khazares remonta aos estudos raciais do final do século 19 na Europa. 

Em alguns casos, tem sido citado para afirmar que a maioria dos judeus modernos não são descendentes de israelitas e / ou para refutar as afirmações israelenses de Israel. 

O "Pedigree de Judá" tem como fundo uma mistura de pessoas (Celtas, Gomer - iranianos – arianos – nórdicos – Alpinos - brancos), das quais os khazares eram um elemento primário. 

Em 1951 o professor John O. Beaty do Southern Methodist University  publicou “ A Cortina de Ferro sobre a América - uma obra que afirma que "Khazar judeus" dos Estados Unidos e do mundo foram os responsáveis pelo início da Primeira Guerra Mundial.

Os judeus Asquenazes hoje representam cerca de 80% dos judeus em todo o mundo, mas a grande maioria dos judeus Ashkenazi não vivem mais na Europa Oriental e sim em Israel e nos Estados Unidos da América, e em ambos os países, os judeus Asquenazes vivem junto com “outros judeus”.

Judeus Ashkenazi têm uma história notável de realização nas sociedades ocidentais assegurando um grande número de prêmios Nobel. Nas sociedades onde eles têm a liberdade de entrar em qualquer profissão, eles têm um registro de realização ocupacional alta.

Por exemplo, durante o século 20 nos Estados Unidos, os judeus asquenazes representaram cerca de 3% da população, mas ganharam 27% dos Prêmios Nobel na ciência, e 25%da ACM Turing Prêmios (o equivalente Nobel em ciência da computação). 

Enfim, a História Antiga mostra que os descendentes de Jafé, foram divididos em dois grupos. Um grupo se instalou na região da atual Índia e Ásia Central, e o outro grupo no circulo europeu. 

Juntos eles formam o que é conhecido como família de nações. - "indo-européia". Ambas as divisões traçam sua ascendência até Jafet. 

Os arianos conhecidos como Djapatischta (chefe da raça),
Os gregos referidos Jafé como Iapetos ou Japetos (jepeto?)
Os indianos refere-se Jyapeti ou Pra-Japati,
Os romanos usavam Ju-Pater ou Júpiter,
Os saxões perpetuaram seu nome como Iafeth,

Todos estes povos eram pagãos. Como eles se desenvolveram e se mantiveram “originais” até hoje é fácil de se observar = não misturar a raça ariana e manter o conhecimento apenas entre eles ou os iluminados (os despertos)

Como podemos observar os deuses nórdicos são os dirigentes do pedaço, da fatia das “grandes” mentes brilhantes que conduzem a humanidade ainda, mas isso vai acabar...

Há muito que se estudar, muito que pesquisar e o meu link de hoje é esse. Se souber mais a respeito, me avise.

laura botelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário