domingo, 10 de fevereiro de 2013

O Carnaval e os Portais Umbralinos


Carnaval no Antigo Egito - culto ao touro Apis



Recebi uma pergunta interessante nos comentários do blog: 
Muito bom... José, queria saber a tua opinião a respeito do carnaval. Eu não consigo entender tudo isso. O governo tá até ensinando a não se fazer xixi na rua... Parece absurdo não? Tem um colega que faz vídeos de palestras sobre a espiritualidade que falou que os portões do umbral são abertos. E eu me obrigo a acreditar, visto que que se vê tanta coisa.”

O carnaval, sem sombra de dúvida, é a festa que melhor define o espírito dos exilados capelinos. A festa surgiu no Antigo Egito com o culto ao touro Ápis em comemoração à colheita, tanto que o próprio touro Ápis, símbolo principal da divindade para os egípcios, era também o deus da agricultura. Os sacerdotes politeístas escolhiam um bezerro com características especiais (certas marcas e manchas no corpo) que era levado em uma barca dourada até o santuário onde era reverenciado. Uma das festas em sua homenagem, a festa da colheita, durava exatamente 7 dias (exatamente como ocorreria futuramente no império romano). Nessa festa, os sacerdotes politeístas de Menfis conduziam o “sagrado” animal numa procissão pelas ruas, onde os populares comemoravam a passagem do animal.
A festa prosseguiu séculos depois no seio da civilização grega, pelos idos de 600 A.C. na forma de um culto aos deuses pela fertilidade do solo e produção de alimentos. O deus grego que regia tais festas era o deus das festas e do vinho, Dionísio, que entre os romanos ficou conhecido como Baco. Nessas festas havia muita comilança (por isso o rei Momo representa Dionísio) regada a vinho e muitos bacanais (as famosas festas do “bailar com Baco” ou “ballarebaco” expressam que foi aportuguesa pra “balacobaco"), os bacanais eram as festas em homenagem a Baco, onde os participantes se utilizavam de máscaras com a face do deus-humano estampada, para que pudessem dançar e participar das orgias sem que fossem reconhecidos.
Essa celebração em Roma, em homenagem a Baco, durava exatamente os mesmos 7 dias que ocorriam no Antigo Egito, no período que ia do dia 17 à 23 de dezembro, período que as atividades comerciais eram suspensas, escravos ganhavam liberdade temporária.
Após a criação do Cristianismo Romano por Constantino (pelos idos de 325 D.C., quando constatou que mesmo após as terríveis perseguições do imperador já morto na época, Diocleciano, aos cristãos primitivos, o Cristianismo Primitivo crescia vertiginosamente), O Império Romano modificou profundamente a filosofia cristã e continuou a perseguir os cristãos primitivos, até os idos de 1330 D.C.
No Cristianismo Romano, o carnaval foi adotado como comemoração oficial pelos idos de 590 D.C., pouco tempo depois do imperador Justiniano ter morrido. Sua esposa, a famosa ex cortesã Teodora, foi a responsável pela retirada da doutrina da reencarnação do seio da Igreja Romana, pois era muito perseguida pelas ex companheiras de serviço e por ter mandado matar quase todas (entorno de 500), quis retirar a reencarnação da Igreja para que não tivesse de expiar o karma da morte de tanta gente em uma vida futura (afinal ela acreditava que a Igreja era Deus na terra e se mudasse as leis da Igreja, mudaria as leis de Deus, megalomania pouca é bobagem....)
O carnaval instituído pela Igreja Romana ocorria antes da quarta feira de cinzas, o primeiro dos 40 dias da Quaresma (40 dias onde o cristão deveria jejuar, refletir e se voltar para a espiritualidade, orando e praticando a caridade, como forma de relembrar a ressurreição de Cristo, que também ficou 40 dias entre os homens após a sua ressurreição). Dessa forma o carnaval ou “carne vales”, literalmente “prazeres da carne” era aprovado como forma de “preparação” para tamanho sacrifício, onde o fiel deveria se entregar sem culpas aos prazeres da carne (por isso que o dia anterior a quarta feira é conhecido como terça feira gorda), pois afinal nos 40 dias de penitencia seguinte todos os seus pecados seriam perdoados, anistia completa....
O problema é que a maioria além de exagerar nos festejos carnavalescos, bem antes da terça feira gorda, nem se lembra dos 40 dias seguintes. Em suma, o carnaval é uma festa totalmente pagã, nascida de cultos politeístas e que jamais deveria ter sido adicionada pela Igreja Católica ao seu calendário.

Lobo em pele de cordeiro

Nessa época aqui no Brasil, sobretudo nas regiões onde a comemoração é mais intensa, como Rj, Nordeste e Sp, uma carga energética negativa acima do normal (“normal” esse que já é excessivo) é produzida pela população, em virtude do aumento dos desequilíbrios e excessos que são cometidos nesse período. Os portais que ligam o astral inferior ao astral intermediário ( que fica na contrapartida astral da superfície física onde os encarnados vivem) estão sempre abertos, muitos controlados por guardiões, muitos infelizmente controlados por entidades trevosas, ocorre que nessa época de carnaval a energia fica a tal ponto densa que os guardiões não conseguem manter o controle e segurança de alguns portais e precisam simplesmente abandoná-los para retomá-los apenas após os festejos.
Apenas a nível de comparação, qualquer reunião espírita ou espiritualista voltada para a prática do bem é necessariamente feita antes da aproximação da meia noite, pois a partir desse horário até a 1 e meia da madrugada, a energia solar atinge seu ponto mínimo na superfície e nessa janela são realizadas as evocações de magia negra, deixando  o astral intermediário mais denso acima do normal, fazendo com que os próprios guardiões alertem os médiuns que próximo desse horário eles não tem como garantir a segurança dos trabalhos, visto que em cada reunião em um centro ou casa espiritualista, o entorno de 5 a 10 quarteirões fica protegido pelos guardiões, mas quando chega perto desse horário, não há mais como garantir a segurança, pois o ataque das milícias trevosas fica mais intenso.
Na época do carnaval, sobretudo durante os festejos noturnos, essa densidade energética chega a dobrar e em alguns locais triplicar em comparação em relação a carga energética mais densa que já existe diariamente entre o horário da meia noite e uma e meia da madrugada.  
A Alta espiritualidade, entretanto, também age, colaborando energeticamente com os guardiões no combate as entidades trevosas. No desfile de sexta pra sábado em Sp, bem no final, caiu um verdadeiro temporal, com a função específica de ajudar a literalmente “explodir” certas formas pensamento e enfraquecer certas egrégoras formadas na região. Da mesma forma, a alguns dias atrás, quando foi emitido um alerta de grande terremoto próximo a costa do nordeste (6.0 na escala Richter) que horas depois mostrou-se um erro dos sismógrafos americanos, na verdade foi a detecção de uma mega tsunami que atingiu todo o astral intermediário do Nordeste, visando enfraquecer algumas forças trevosas que já se preparavam para atuar com mais força no carnaval da região. O evento foi tão forte que chegou a ser detectado no ponto de origem pelos equipamentos físicos, mesmo tendo ocorrido no astral.
Acredito que após o auge do exílio planetário em 2036, a “festa da carne” naturalmente desaparecerá, pois é uma festa típica dos exilados capelinos, que provavelmente em grande número serão novamente exilados.


Read more: http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com/2013/02/o-carnaval-e-os-portais-umbralinos.html#ixzz2KVDF01ub

4 comentários:

  1. Mas a Igreja de Roma é um depósito de paganismo, aliás esta palavra pagã ela só faz referencia aquilo que não é católico, engraçado matar milhões torrados em fogueiras como a maldita inquisição fez não seria paganismo né? Seria uma "benção", religião seja pagã ou seja (as que se julgam divinas e corretas) são tudo farinha do mesmo saco, só servem para manipulação das massas.
    Eu não sou religioso muito menos ateu, acredito em uma força superior e a consciência fora do corpo físico, pois já tive a comprovação disso...
    Em relação ao carnaval, é lógico que isso libera energias negativas, carnaval, boates, bailes e festas regadas a álcool e muita farra sem moderação sempre tem influência negativa dos magos negros e seus sequazes, nós vivemos em um mundo de 3ª dimensão, aqui ainda é mundo inferior e o mal tem prevalecimento, temos também muita gente que ajuda a dar forças a isso com seus maus costumes, maus pensamentos e sentimentos.
    Fico pensando naqueles que morrem em meio a toda essa farra e bebedeira, não deve ter um destino muito "doce".... Importa agora a nós aqui presentes lutar-mus e buscar-mus a evolução, pois esta encarnação é a que importa e é a nossa chave para libertação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ramatis já alertou e muitos outros como Chico Xavier e Nostradamus também, sobre o planeta "higienizador", planeta "chupão" ou "o monstro" como Nostradamus o nominava, também chamado de o "caminhão do lixo" por Alziro Zarur. Ele vem pra levar "o lixo" que está neste planeta e muitos serão exilados nele....

      Excluir
  2. Abaixo os Anunnakis!!!!

    ResponderExcluir
  3. Conforme também o site de onde vem o texto acima, será o asteróide Apophis que surpreenderá os astronomos (que hoje dizem que não colidirá com a Terra) e colidirá com a Terra em abril de 2036. Em Apocalipse, na Bíblia, o apóstolo João também diz que "a estrela Absinto" cairá na Terra e destruirá 2/3 de tudo. Jesus Cristo também alerta que nos últimos dias (do mundo antigo) será "como nos dias de Noé" e "como nos dias de Sodoma e Gomorra", ou seja, algo cairá na Terra causando grande destruição por fogo (como em Sodoma e Gomorra) e elevará os mares e oceanos (como nos tempos de Noé). E então teremos "novo céu, nova Terra". E isso também pela verticalização da Terra, com o choque fortíssimo do Apophis.

    ResponderExcluir